Mercado de trabalho europeu para brasileiros

Comecei a minha busca por trabalho na Alemanha por ter ascendência alemã, querer aprender mais sobre a cultura e melhorar o meu nível da língua. Como sei que muitos brasileiros, por diversos motivos, compartilham do sonho de trabalhar na Europa, vim falar um pouco sobre o mercado de trabalho europeu para brasileiros

Comparando com o processo de ser empregado e conseguir visto de trabalho nos EUA, acredito que na Europa seja muito mais fácil. Possuir a cidadania de qualquer país da comunidade europeia permite que você tenha acesso a qualquer país do bloco e, caso não tenha, as empresas não descartam sua candidatura e te ajudam no processo. A Europa, por ser um continente mais velho, precisa da mão de obra qualificada estrangeira jovem e, por isso, as empresas não medem esforços para ter ajudar a ter a permissão de trabalho. Além de ser uma cultura mente aberta e valorizar BASTANTE a América Latina/latinos.

Mas nem tudo são flores, um ponto negativo de trabalhar na Europa são os impostos, que são bem altos (apesar de ter que admitir que são bem investidos na sociedade). Chegando até 40% do seu salario, principalmente quando se é jovem trabalhador. Este valor pode diminuir caso esteja casado ou tenha filhos. Por tanto uma dica é: sempre pesquisar bem a média salarial do lugar desejado contando com o valor liquido que recebera depois do desconto mensal de impostos. 

Mercado de trabalho europeu na área de criação 

Meu primeiro contato com o mercado de trabalho europeu foi através do meu freelance. Acredito que essa é uma ótima oportunidade para brasileiros conseguirem ganhar em euro. Além de que os materiais criativos custam muito mais na Europa do que no Brasil, cheguei a cobrar três vezes mais na produção de um vídeo, por exemplo.

Além disso, muitas empresas abrem a opção de trabalho remoto. Ser empregado do Brasil, com o salário daqui, turbina seu poder aquisitivo e consequentemente seu estilo de vida. Outro fato importante é que muitas empresas na Europa são globalizadas e não exigem o conhecimento da língua local, exigindo apenas inglês fluente dos funcionários.

Possibilidade de Estudar

Na Europa existem muitas universidades publicas e, além de não precisar pagar nada pelos seus estudos, você ainda pode aplicar para ganhar bolsas do governo. Caso esteja trabalhando, você pode pedir para a empresa contribuir com o seu mestrado em uma universidade particular e trabalhar meio período.

É interessante pesquisar faculdades em cidades menores e mais afastadas. Estas cidades são muito bonitas e tem um custo de vida bem menor do que em capitais e cidades grandes. Você vai pagar menos aluguel e poderá se locomover pela cidade de Bicicleta. Outro ponto sobre ser estudante na Europa é que você paga uma taxa bem pequena para transporte publico.

Cultura Mente Aberta

Fonte: Pixabay

Senti que na Europa existe uma cultura bem mente aberta. Eles se interessam por culturas diferentes, possuem o habito de viajar muito mais e são mais abertos a novos olhares de mundo. 

Na Europa muitas pessoas, enquanto estão na faculdade, têm um semestre chamado “Erasmus” em outro pais. Isso faz com que eles consigam ter mais empatia por estrangeiros, já que eles também vivenciam esse processo de mudança de vida por um breve período.

Um ponto interessante é o fato de que as pessoas não possuem muito apego aos lugares que moram. Eles não criam raízes muito profundas, já que geralmente em um ou dois anos eles se mudam para estudar ou trabalhar. Assim, essa cultura de trabalhar em outro país é grande e consequentemente as empresas estão mais acostumadas com a contratação de pessoas de fora.

Gostou deste post? Nos siga no Instagram e leia também:

Operação trabalho na Alemanha – preparando o currículo e o portfolio

Custo de vida na Alemanha

Eurail- passe de trem para a Europa

Aline Bartel tem 23 anos, é designer gráfico e está cursando MBA com foco em Branding. Atualmente está morando em Frankfurt, trabalhando como designer em uma empresa alemã. Começou a carreira em 2016 trabalhando no setor de Merchandising na Disney durante o International Disney College Program. Depois disso alavancou a carreira com trabalhos em startups, agência de publicidade e como freelancer.

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: