corrida de rua

Esporte, lazer ou terapia?

Aumento da participação de mulheres na corrida de rua abre espaço para amizades e cria um novo nicho no mercado.

O público feminino vem crescendo nas corridas de rua nos últimos cinco anos em Curitiba. De acordo com a assessoria Nosso Time, que organiza algumas das corridas que acontecem anualmente na capital, o número de corredores aumentou e o número de mulheres está perto de se igualar ao de homens participantes. O público feminino cresceu em 10% representando 40% dos corredores.

Esse crescimento abriu um novo nicho de mercado com grupos e corridas exclusivas para as mulheres, como o The Running Moms, um grupo de mães de estudantes de um colégio particular da capital que resolveram começar a correr juntas durante o horário de aula dos filhos. O grupo começou com poucas participantes e acabou se tornando uma assessoria de corrida voltada às mulheres com mais de 120 alunas. “Não tínhamos a pretensão de abrir um negócio, queríamos apenas correr em horários compatíveis com a nossa rotina de mãe”, conta uma das sócias da assessoria Ana Paula Costódio.

A Corrida da Paz do Clube da Alice, um grupo no Facebook de mulheres, aconteceu no dia 11 de setembro e foi exclusiva para elas. “Alguns maridos de Alices acompanharam a corrida, mas sendo só mulheres competindo o clima ficou mais agradável, elas ficaram mais à vontade”, conta a sócia do Clube da Alice Thayza Melo. A vencedora da corrida, Rosangela Andrade, corre  desde 2004 e já perdeu as contas de quantas medalhas ganhou. Só neste ano, além da corrida das Alices, ela foi campeã nos 5km na Corrida Mais Marias, na Stadium Marathon e na prova da Track and Field. Além dos prêmios, Rosangela conquistou  o marido correndo. Os dois se conheceram em 2006  em uma corrida de rua e hoje estão casados e têm uma filha.

De Curitiba para Paris

Para muitas corredoras, a corrida vai além de um esporte, é um momento de lazer e de terapia com as amigas. Ivanir  Dedecek, 67 anos, conta que decidiu  praticar esportes aos  50 anos. Começou com a ginástica, passou para a musculação e, com incentivo dos amigos, realizou a primeira corrida de rua o que a levou a ser tornar corredora: “O percurso foi sofrido, mas no final a sensação de terminar foi tão boa que decidi correr”.

Ivanir foi uma das primeiras participantes do Duque Runners, grupo de corrida do clube Duque de Caxias. Nas primeiras competições corria  5km, passou para 10km,  e a grande superação foram os 16km na corrida Paris – Versailles, realizada este ano, em uma viagem com mais três integrantes do grupo. “Unidos pelo esporte e pela amizade, este é meu lema”

Outra corredora do grupo Duque Runners Liz Peres de Oliveira, 41 anos,  conta que a corrida, além de benefícios para a saúde, trouxe amigos que são quase uma família. A primeira vez que participou de uma corrida de rua foi na Fila Night Run de 5km em setembro de 2011. Em 2016 ela está comemorando cinco anos de Duque Runners correndo 16km em Paris.

Por: Yasmin Graeml, Stephanie Abdalla, Raphaella Piovezan e Talita Souza

Yasmin Graeml criou o Qualquer Latitude em 2013 durante um intercâmbio de High School na Austrália, jornalista e apaixonada por contar histórias adora dar conselhos de viagem e preparar roteiros para os leitores do blog!

33 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: